impacto compliance e riscos

Desmatamentos e Queimadas na Amazônia – Gestão Socioambiental, Compliance e Riscos

Design by Freepik

CAUSAS E EFEITOS SOCIOAMBIENTAIS

Em um ambiente VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo), estamos todos conectados por causas e efeitos locais, regionais ou globais. Vemos exemplos todos os dias, mas a crise que dominou as manchetes e redes sociais no mundo todo nesta semana tomou grandes proporções.

Há décadas cientistas e ambientalistas alertam sobre os desmatamentos, queimadas, o aumento das emissões atmosféricas e as políticas insuficientes do Brasil há vários governos federais, estaduais e municipais (lembro-me de no outono de 1993 passar 60 dias viajando nos rincões entre Mato Grosso, Pará, Araguaia e Rondônia convivendo rotineiramente com desmatamentos e queimadas).

IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS E GESTÃO DE RISCOS E COMPLIANCE

Há alguns anos as emissões de gases de efeito estufa do desmatamento/queimadas,  das indústrias, transporte e geração de energia fazem parte da gestão de riscos de uma organização ou governo.

O relatório de riscos globais 2019 do Fórum Econômico Mundial, lançado em janeiro deste ano, trouxe novamente 7 riscos socioambientais dentro dos 11 mais críticos: eventos climáticos extremos, desastres naturais, falha na mitigação/adaptação às mudanças climáticas, crise da água, perdas de biodiversidade e colapso de ecossistemas, migração involuntária de grande escala, desastres ambientais causados pelo homem. Com relação aos 5 riscos ambientais aqui citados, mereceu destaque:

aumento do seu impacto avaliado;

nos últimos anos alguns deles já vinham sendo avaliados dentre os 5 mais críticos, ou de maior impacto ou de maior probabilidade);

desde 2012 há pelo menos 2 deles entre os “top 5” de maior probabilidade, e pelo menos 1 deles entre os “top 5” de maior impacto (nos últimos 2 anos houve 3 riscos ambientais dentro dos “top 5” tanto de probabilidade como de impacto).

Há 2 décadas os impactos ambientais são abordados como parte de um sistema de gestão ambiental (p.ex. conforme a ISO 14001), e há quase 1 década como parte da gestão da responsabilidade social (p.ex.conforme a ISO 26000).

Passamos a abordá-los também como parte da gestão de riscos (p.ex. tendo como modelo a ISO 31000 – gestão de riscos): desde seu contexto, liderança e comprometimento, sua identificação, análise, avaliação, definição de ações para seu tratamento, implantação das ações, monitoramento da eficácia dos controles, análise crítica da gestão de riscos.

Atualmente passam a ser tratados também como parte de um Sistema de Gestão de Compliance (p.ex. como definido pela ISO 19600, e pela futura ISO 37301 certificável), como pôde se notar em crises recentes, como a de Brumadinho.

E a gestão de emissões para evitar o aquecimento global, bem como a mitigação e adaptação climática são abordados em outras normas ISO, como a recém-publicada ISO 14090 (Adaptation to climate change — Principles, requirements and guidelines) e a norma ISO 14091 (Adaptation to climate change – Vulnerability, impacts and risk assessment) ora em elaboração.

A CRISE ATUAL DO DESMATAMENTO E QUEIMADAS

Na crise atual, os efeitos estão se ampliando e ganhando escala global:

efeitos sociais importantes -> efeitos à saúde de moradores e atingidos pela nuvem de fumaça, com aumento de internações hospitalares em Estados como Acre, Rondônia e Mato Grosso, além de ter atingido outros países como Uruguai;

efeitos econômicos potenciais importantes -> riscos à concretização do Acordo União Européia – Mercosul; perda potencial do Fundo Amazônia (cedido principalmente por Noruega e Alemanha). Além disto, a fumaça afeta o transporte aéreo e fluvial na região;

riscos reputacionais -> manifestações de políticos, cidades, cientistas, populações, artistas, esportistas de diversos países, tanto nas redes sociais, como pronunciamentos, boicotes a produtos brasileiros e protestos em várias cidades brasileiras e ao redor do mundo, retratam a preocupação com os impactos das queimadas e desmatamento, mas também com os retrocessos do Governo Bolsonaro na gestão ambiental;

riscos políticos -> este assunto foi objeto de discussão na reunião dos sete países mais ricos (G7) em Biarritz, França, sendo solicitadas medidas de pressão contra o Brasil, pelo Presidente francês, para enfrentar a situação.

Estamos no meio de uma guerra: entre esquerda e direita, entre liberalismo econômico e centralismo estatal, envolto em muitas “fake news” para todos os lados – notícias falsas, exageradas, antigas, dados vetados para publicação, “jogar a culpa na imprensa e nas ONGs”…

Devemos procurar enxergar a realidade com fatos e dados concretos, buscando isenção de vieses ideológicos. Tentando  trazer alguns pontos do quadro geral:

Temos de lembrar que a cada ano a sobrecarga do planeta Terra é maior: neste ano, a conta feita há diversos anos pela ONG Global Footprint Network é de que os recursos disponíveis do planeta para 2019 se esgotaram em 29 de julho (nos últimos 20 anos essa data já se antecipou 3 meses), significando que anualmente a humanidade usa os recursos equivalentes de 1.75 planetas Terra.

O desmatamento e queimadas na região amazônica é assunto crítico para todos os países que a envolvem: Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Claro que cada um deles tem a sua forma de atacar o problema, com resultados diferenciados;

A situação do desmatamento e queimadas no Brasil vem piorando há vários anos – desde 2013/2014 que vemos a ampliação e oscilação do desmatamento/queimadas. E particularmente em 2019 o aumento foi bem maior.

O problema acontece não somente na região amazônica, mas também no Cerrado;

Nesta época de inverno no hemisfério sul, a estiagem/seca é maior e normalmente ocorre aumento de queimadas, o que poderia explicar parte do aumento (mas há controvérsias sobre o percentual);

Por outro lado, o Governo Bolsonaro demonstrou-se contra iniciativas ambientais e de combate ao aquecimento global, desde o seu início, quando pretendia sair do Acordo de Paris, passando pela intenção de reduzir a importância do Ministério do Meio Ambiente, seguindo com constantes conflitos e desmonte de fiscalização no IBAMA (e mais recentemente com o INPE). Simplificar mas que imbuído de espírito de “caça às bruxas” e falta de entendimento da importância e do papel da responsabilidade social no mundo atual, nubla quaisquer avanços e resultados, virando retrocesso.

E uma grande parte da população (incluindo políticos) vai ao sabor do vento das notícias exageradas/tendenciosas e nuances políticas que permeiam nosso momento…

Os governos anteriores têm culpa no cartório. O estado brasileiro é responsável. O Governo Bolsonaro é culpado… e agora está plantando o que colheu com a sua miopia sistêmica quanto aos assuntos socioambientais, a falta de prioridade e o conservadorismo exacerbado.

Nós, cidadãos, consumidores de produtos agroindustriais e pecuários, também somos responsáveis. Os produtores e setor empresarial tem a sua responsabilidade, e tem de gerir (e reduzir) de forma responsável seus impactos negativos. Os órgãos e organizações envolvidos com o tema tem de avaliar os impactos socioambientais, e riscos envolvidos e ter uma atitude ética e de compliance comprometida com uma gestão técnica responsável, profissional e que busca a verdade e a melhoria para as partes interessadas.

CONCLUSÃO

Quem trabalha na área ambiental há muito tempo já viu este filme muitas e muitas vezes… Mas a urgência e a difusão é crescente em escala planetária…  As reações são online e globais… assim como os danos à imagem e reputação (e todas as suas consequências).

A percepção geral é a de que não estamos fazendo o necessário para conter o aquecimento global e mitigar os riscos representados pelos impactos ambientais… Creio que ninguém escapa…

Trata-se de um trabalho coletivo, de responsabilidade compartilhada, cooperativa e preventiva. Todos teremos de nos esforçar mais para conter aquela que é considerada por muitos como a maior ameaça atual à humanidade, e também para reduzir a nossa pegada ecológica.

Trata-se de gerenciar riscos, compliance e de atuar com ética e integridade!

E vamos nos manter vigilantes!

Michel Epelbaum – Diretor da Ellux Consultoria

Consulte nossos serviços de ConsultoriaTreinamento e Auditoria em Sistemas de Gestão, inclusive nas Normas  ISO 31000, ISO 14001, ISO 9001, ISO 37001ISO 19600, ISO 45001 e ISO 26000.

Saiba mais em nossos posts relacionados!

Riscos Globais 2019 – Fórum Econômico Mundial

riscos globais 2019

 

 

 

 

 

 

Mudanças na ISO 31000 – Gestão de Riscos

 

 

 

 

 

 

Novidades nas Normas ISO de Gestão de Riscos!

Gostou? Compartilhe este post!

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ellux Consultoria - há mais de 20 anos trazendo soluções em Gestão da Sustentabilidade, Qualidade e Riscos.

Oferecemos auditorias, consultoria, treinamentos e gamificações em Sistemas de Gestão com base nas Normas ISO 14001, ISO 9001, ISO 45001, ISO 26000, NBR 16001, SA 8000, ISO 50001, ISO 31000, ISO 37001, ISO 19600, NBR 19601, DSC 10000, PRÓ ÉTICA e outros modelos.