Sistemas de Gestão de Energia

Publicada a Revisão da ISO 50001!

Freepik 

Em meio ao evidente impacto das mudanças climáticas no planeta causadas pelo homem – onda de calor no Hemisfério Norte, eventos extremos  – chamam a atenção alguns movimentos a favor (e contra) esta realidade que cada vez se torna mais aceita.

Aquecimento Global e Energias Alternativas Limpas

A insistência do atual presidente americano de esquecer o resto do mundo e tentar reverter os (poucos) ganhos na proteção ambiental e na luta contra o aquecimento global – após outras medidas de retrocesso como a saída do Acordo do Clima de Paris, desta vez anunciou sua “Regra de Energia Limpa Financiável”, incentivando o uso do carvão nos EUA, mesmo que admitindo que poderá provocar 1400 mortes prematuras a mais por ano até 2030 devido à poluição atmosférica (fonte: UOL, 24/08/18);

A insistência de governos municipais, fundos de investimento e empresas privadas em se comprometer com a redução do aquecimento global. (fonte: UOL, 24/08/18);

O grande crescimento em andamento e previsto para os próximos anos do uso de energias alternativas limpas (p.ex. solar e eólica) no mundo, e também no Brasil (onde a geração de energia distribuída cresce vertiginosamente desde a sua regulamentação há poucos anos), mas que ainda representa pequena fatia do uso de energia mundial. De acordo com o Conselho Global de Energia Eólica, mais de 52 GW de energia limpa foram adicionados em 2017, levando o total de instalações a 539 GW. No Brasil, a fonte eólica tem mostrado um crescimento consistente, passando de menos de 1 GW em 2010 para 13,4 GW em agosto de 2018, fazendo o país passar do 15o. lugar no ranking de capacidade instalada em 2012 para a 8a. posição em 2017 (Fonte: ABEEólica, in Revista O Setor Elétrico, Edição de Julho/18).  O uso e as metas nacionais de energia solar fotovoltaica mostram esta expansão (China- 131 mil MW em uso, e meta de 213 mil MW até 2020; EUA – 51 mil MW em uso, e meta de 405 mil MW até 2030; Índia – 100 mil MW até 2022; Japão – 49 mil MW em uso, e meta de 200 mil MW até 2050. No entanto, no Brasil temos potencial nominal atual de 1,3 mil MW, e tímida meta de 13,3 MW até 2026 (Fonte: ABsolar, in Revista O Setor Elétrico, Edição de Julho/18).

NBR ISO 50001:2018  – Sistemas de Gestão da Energia

Neste sentido, também é notícia relevante o anúncio na semana passada da publicação da revisão 2018 da ISO 50001 – Energy management systems — Requirements with guidance for use. Pela integração da gestão da energia às práticas empresariais, ela provê uma abordagem sistemática para a melhoria contínua do desempenho energético que pode transformar o modo como as organizações gerenciam energia e reduzir os custos a ela associados, além de ajudar a atingir as metas de mitigação de mudanças climáticas pela redução das emissões de gases de efeito-estufa relacionados à energia (que é um dos grandes contribuintes para o aquecimento global). Este documento contribui ainda para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável:

Número 7  – Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos,

Número 11 – Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis),

Número 12 – Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis,

Número 13 – Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos.

Segundo informações da ABNT/CB-116, é esperada a publicação da tradução brasileira NBR ISO 50001:2018  – Sistemas de Gestão da Energia para os próximos dias.

Mudanças da revisão da NBR ISO 50001:2018

As maiores mudanças desta revisão da Norma são:

Adoção dos requisitos da ISO para normas de sistemas de gestão, incluindo a estrutura de alto-nível, texto principal idêntico, e termos e definições comuns, para assegurar um alto nível de compatibilidade com outras normas de sistemas de gestão (p.ex. ISO 9001:2015, ISO 14001:2015);

Melhor integração com o processo de gestão estratégica;

Clarificação da linguagem e estrutura do documento;

Maior ênfase no papel da alta direção;

Atualização e inclusão de algumas definições e melhoria de sua sequência, incluindo a de melhoria do desempenho energético;

Clarificação sobre as exclusões de tipos de energia;

Clarificação da revisão energética;

Introdução do conceito de normalização dos indicadores de desempenho energético e linhas de base associadas, e melhoria do texto sobre estes requisitos, para prover melhor entendimento sobre estes conceitos;

Adição de detalhes sobre o plano de coleta de dados de energia e requisitos relacionados (anteriormente chamado de plano de medição de energia).

A realidade do aquecimento global causado pela contribuição humana é quase consenso mundial. Já é hora de avançar um passo além da aceitação, e buscar medidas práticas efetivas. Neste sentido aumentar a participação de energias renováveis,  reduzir o consumo de energia e buscar a melhoria do desempenho energético através de ferramentas de gestão como a ISO 50001 é fundamental para mitigar este risco, considerado pelo Fórum Econômico Mundial um dos maiores do Nosso Planeta!

Michel Epelbaum – Diretor da Ellux Consultoria

Consulte nossos serviços de ConsultoriaTreinamento e Auditoria em Sistemas de Gestão, inclusive nas Normas  ISO 50001, ISO 14001 e ISO 31000. 

Saiba mais sobre as Normas recentemente publicadas em nossos posts relacionados:

OS PASSOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO/CERTIFICAÇÃO DA ISO 45001 E O FIM DA OHSAS 18001

APROVADA A ISO 45001 – SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA!!!

AVANÇOS DA NORMA BRASILEIRA NBR 19601 – SISTEMAS DE GESTÃO DE COMPLIANCE!

NOVIDADES NAS NORMAS ISO DE GESTÃO DE RISCOS!

MUDANÇAS NA ISO 31000 – GESTÃO DE RISCOS

GESTÃO DE ENERGIA E SUSTENTABILIDADE: BOAS E MÁS NOTÍCIAS!

GESTÃO DE MEIO AMBIENTE E ENERGIA: CADA VEZ MAIS NECESSÁRIA!

Gostou? Compartilhe este post!

1 Comments

  1. Pingback: Eficiência Energética

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ellux Consultoria - há mais de 18 anos trazendo soluções em Gestão da Sustentabilidade, Qualidade e Riscos.

Auditoria, Consultoria, Treinamentos e Gamificação em Sistemas de Gestão com base nas Normas ISO 14001, ISO 9001, OHSAS 18001, ISO 45001, ISO 26000, ISO 50001, ISO 31000, ISO 37001, ISO 19600, DSC 10000, BPM e outros modelos.