O Instrutor em Cena

O Instrutor em Cena

Estudo comparativo entre o instrutor e o ator, revelando as similaridades das duas atividades. Artigo publicado na Revista CIPA em janeiro 2003.

Com a crescente demanda de treinamentos nas empresas, cada vez mais funcionários são solicitados a desempenhar o papel de instrutor, multiplicando conhecimento.

Você deve imaginar que estas pessoas são orientadas a preparar antecipadamente sua aula: estudar o assunto a ser abordado, preparar o conteúdo, calcular o tempo da aula, definir o material a ser utilizado, verificar a disponibilidade dos recursos didáticos e saber o número de participantes.

A pergunta é: este preparo garante o bom desempenho na sala de aula?

Antes de responder a esta pergunta, vamos imaginar um exemplo como forma de reflexão: um espetáculo teatral. Quando vamos ao teatro, vários elementos já foram previamente preparados para que o espetáculo aconteça: recursos de iluminação e sonoplastia, cenários, figurinos, adereços e atores que sabem seu texto de cor.

Contudo não podemos esquecer que, além de toda esta produção, há um fator fundamental para garantir o êxito de uma apresentação teatral: a preparação do ator.

Preparação do Ator

Até chegar ao palco, o ator treinou técnicas de interpretação e de expressão vocal e corporal.

Como resultado, ele demonstra no palco uma consciência de estar em cena, uma intenção comunicativa, maior interação com a platéia e a capacidade de improvisar. Aí sim, nos sentimos cativados e emocionados, choramos, rimos e somos envolvidos verdadeiramente pelo espetáculo.

Isso só acontece porque o ator conseguiu se comunicar com o público. Para que esta magia aconteça também em sala de aula, o instrutor tem que se preparar.

O bom desempenho não é garantido apenas pela utilização de recursos e materiais didáticos, mas sim pelo uso eficaz das habilidades comunicativas.

Habilidades Comunicativas

É preciso conhecer, desenvolver e ampliar estes recursos: voz, entonação, dicção, postura e gestos para expressar-se com clareza e desenvoltura e também para perceber melhor o ambiente, ter prontidão para interagir com os participantes e conseguir improvisar quando necessário.

A expressão e a percepção acontecem simultaneamente durante a comunicação conforme ilustra a figura abaixo:

expressão vocal instrutor

 

expressão vocal legenda

Quando nos comunicamos, não assumimos um papel passivo, de meros emissores e/ou receptores da mensagem. Tudo o que é transmitido está repleto de emoções e sensações próprias de cada um.

Toda mensagem é interpretada de acordo com nossas experiências, o que nos torna agentes ativos nesse processo, fazendo uso de mecanismos como: associação de idéias, imaginação, compreensão da mensagem, elaboração do discurso e criatividade na expressão verbal e não-verbal.

Dessa forma, o instrutor que percebe o processo e utiliza essas habilidades evita que falhas tão frequentes na rotina de treinamento aconteçam, como por exemplo:

Tenho a impressão de que fiz aquele comentário na hora errada.

Nem percebi que alguns alunos já estavam bocejando…

Não entendi o que você quis dizer.

Você quer que eu exemplifique esta situação?

Puxa, deu branco …

Fui pego de surpresa!

Puxa, já dei esta aula mais de 40 vezes e não consigo utilizar outros exemplos.

Os participantes reclamaram que eu falo muito rápido.

Ninguém riu das minhas piadas…

As minhas mãos me atrapalham durante a aula, não sei onde colocá-las!

A boa notícia é que existem formas de se evitar estas falhas na comunicação.

Uma delas é buscar novas atitudes no dia-a-dia:

participar ativamente de atividades socioculturais;

observar a comunicação interpessoal;

perceber melhor as situações de comunicação e as expectativas dos ouvintes;

pensar sempre na melhor forma de falar

ter a vontade, a intenção de se comunicar.

A outra forma é apoderar-se das habilidades comunicativas.

Como?

Por meio de técnicas, jogos e dinâmicas, o instrutor exercita seus recursos corporais e vocaisconhece, amplia e foca o uso de suas ferramentas de comunicação.

Conclusão

Se a vida no palco exige do ator um trabalho contínuo para melhorar sua interpretação, imagine o instrutor no palco da vida, onde as situações inesperadas do dia-a-dia requerem dele preparo constante como garantia de um bom desempenho na sala de aula.

Maria Cristina Borrego – fonoaudióloga, especialista em Voz

Rosa A Epelbaum – fonoaudióloga e diretora da Ellux Consultoria

Consulte nossos serviços de  Treinamento e Gamificação.

Para saber mais:

A Comunicação Eficaz

Gamificação, Diversão e Treinamentos

Gamificação e a Mudança de Hábitos

7 Fatores que podem atrapalhar o sucesso de uma gamificação

Gamificação: Interessante ferramenta para engajar funcionários

Os principais benefícios da Gamificação

Gamificação como ferramenta para melhoria da aprendizagem

Gostou? Compartilhe este post!

1 Comments

  1. Pingback: Qualidade na Comunicação

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ellux Consultoria - há mais de 18 anos trazendo soluções em Gestão da Sustentabilidade, Qualidade e Riscos.

Auditoria, Consultoria, Treinamentos e Gamificação em Sistemas de Gestão com base nas Normas ISO 14001, ISO 9001, OHSAS 18001, ISO 45001, ISO 26000, ISO 50001, ISO 31000, ISO 37001, ISO 19600, DSC 10000, BPM e outros modelos.